Análise do Hartke Bass Attack VXL

Olá pessoal. Depois de muito tempo estou retomando aos poucos a manutenção deste espaço. Muito trabalho e pouco tempo. Mas isto é padrão para nós meros mortais . 🙂

Já a algum tempo fiz um review no fórum Contrabaixo BR de um equipamento que ainda julgo muito bom, o pedal Preamp Hartke Bass Attack VXL. Possuí por um tempo e realmente cumpre o que promete dentro de suas especificações.

Sei que existem vários e bons reviews desse pedal mas resolvi fazer algo um pouco diferente.
Segue abaixo na íntegra o texto publicado no fórum Contrabaixo BR.

Espero que gostem. Um grande abraço.
Link original

null

Análise do Hartke Bass Attack VXL
Agosto de 2010

Como prometido segue uma pequena análise do pedal Hartke Bass Attack VXL. Este review não tem a intenção de substituir os já existentes que por sinal foram muito bem feitos. Créditos aos autores!
A intenção aqui é demonstrar de forma gráfica o comportamento da equalização do pedal de acordo com suas configurações.

Para maiores informações, link para o site do fabricante:
http://www.samsontech.com/products/productpage.cfm?prodID=1734

Um dos tópicos no fórum com discussão sobre o pedal.
http://bass.forumeiros.com/pedaleiras-efeitos-f19/pedal-hartke-bass-attack-vxl-t805.htm

Outros Review’s :
Harmony Central
http://reviews.harmony-central.com/reviews/Effects/product/Hartke/VXL+Bass+Attack/10/1
Talk Bass
http://www.talkbass.com/reviews/showproduct.php/product/659

Condições do teste
– Para os testes utilizei um fonte geradora de sinal. O sinal é linear que vai de 20Khz a 20Hz cerca de -24dB.
– Utilizei dois canais para a gravação sendo um passando pelo pedal e outro direto na placa.
– A gravação foi direta na placa de áudio, sem intermediários.
– Foram utilizados cabos Hayonik e Santo Angelo para as ligações. Informações : http://www.hayonik.com.br/ e http://www.santoangelo.com.br/.
– A fonte utilizada foi a Visual Sound 1Spot. Informações : http://www.visualsound.net/index.php/products/1spot .
– O software utilizado para gravação foi o WaveLab. Informações : http://www.steinberg.net/en/products/wavelab.html
– A gravação foi feita com uma taxa de amostragem de 16bit / 44.1KHz. Não foram aplicados efeitos ou plugins.

Avaliações
Dividi os testes em partes para facilitar a compreensão.
Cada parte possui duas imagens. Uma mostrando o sinal e outra o gráfico/espectro gerado.
A leitura da imagem que mostra o sinal, entende-se que da esquerda para direita e o caminho de 20KHz a 20Hz.
A leitura da imagem com gráfico é mais fácil pois possui os valores da tabela para referência.
Em cada imagem, na parte superior reflete o sinal passando pelo pedal e na parte inferior reflete o sinal direto.

ByPass
Neste teste não foram acionados as chaves On/Off do Drive e a Shape. A intenção foi verificar o comportamento do sinal em modo bypass.
Chave Drive : Off
Chave Shape : Off
Harmonic : 12h
Brite : 12h
Mix : 12h
Shape : 12h
Bass : 12
Treble : 12h
Level : 02h

Sinal/Gráfico:
.

Drive On – Opção 1
Neste teste somente a chave Drive foi acionada os controles fixos em 12h (ou 50%).
Chave Drive : On
Chave Shape : Off
Harmonic : 12h
Brite : 12h
Mix : 12h
Shape : 12h
Bass : 12h
Treble : 12h
Level : 02h

Sinal/Gráfico:
.

Drive On – Opção 2
Neste teste somente a chave Drive foi acionada e o controle de Brite no Máximo (100%).
Chave Drive : On
Chave Shape : Off
Harmonic : 12h
Brite : Max
Mix : 12h
Shape : 12h
Bass : 12h
Treble : 12h
Level : 02h

Sinal/Gráfico:
.

Drive On – Opção 3
Neste teste somente a chave Drive foi acionada e o controle de Brite no Mínimo (0%).
Chave Drive : On
Chave Shape : Off
Harmonic : 12h
Brite : Min
Mix : 12h
Shape : 12h
Bass : 12h
Treble : 12h
Level : 02h

Sinal/Gráfico:
.

Shape On – Opção 1
Neste teste somente a chave Shape foi acionada e o controle de Shape no Mínimo (em 90 Hz).
Chave Drive : Off
Chave Shape : On
Harmonic : 12h
Brite : 12h
Mix : 12h
Shape : Min (90 Hz)
Bass : 12h
Treble : 12h
Level : 02h

Sinal/Gráfico:
.

Shape On – Opção 2
Neste teste somente a chave Shape foi acionada e o controle de Shape em 50% (em 320 Hz).
Chave Drive : Off
Chave Shape : On
Harmonic : 12h
Brite : 12h
Mix : 12h
Shape : 12h (320 Hz)
Bass : 12h
Treble : 12h
Level : 02h

Sinal/Gráfico:
.

Shape On – Opção 3
Neste teste somente a chave Shape foi acionada e o controle de Shape em 100% (em 1KHz).
Chave Drive : Off
Chave Shape : On
Harmonic : 12h
Brite : 12h
Mix : 12h
Shape : Max (1KHz)
Bass : 12h
Treble : 12h
Level : 02h

Sinal/Gráfico:
.

Shape On – Drive On
Nete teste a intenção foi verificar o comportamento do pedal quando as duas chaves são acioandas.
Chave Drive : On
Chave Shape : On
Harmonic : 12h
Brite : 12h
Mix : 12h
Shape : 12h (320 Hz)
Bass : 12h
Treble : 12h
Level : 02h

Sinal/Gráfico:
.

Observações e conclusões

Infelizmente na imagem que contém o gráfico do sinal, os pontos da região mais grave não ficaram tão evidentes. Recomendo expandir a imagem para melhor visualização.
Podemos observar que a atuação do Shape também promove um ganho no sinal. Isto faz jus aos comentários no fórum de aumento de volume quando aciona o Shape.
Uma coisa que ocorre quando toco utilizando somente o Drive é uma pequena perda de subgraves. Para mim foi perceptível somente em amplis de maior porte. Podemos observar isto nos gráficos. Em geral eu compenso com o controle de graves.
Outro ponto observado foi com o uso somente do Shape. Ao selecionar a frequência de 320Hz por exemplo, o gráfico mostrou um corte mais próximo de 800 Hz. Neste ponto creio que o controle manual possui uma margem de erro de fábrica. Mas isto não impede a utilização.

Para facilitar, as imagens estão disponíveis em um único arquivo compactado.
Segue o link.

Algumas considerações importantes

Pessoal, não tenho conhecimento profundo ou técnicas avançadas para executar uma análise descente mas creio que deve ajudar muitos e entenderem um pouco mais da atuação do Hartke Bass Attack VXL sobre o som do baixo.

E isso ai, fiquem com Deus

SOSO – Apresentação 30/07/11

Mais um registro da apresentação do Soso Instrumental.
O evento ocorreu durante ao primeiro festival de inverno da Igreja Cristo Rei no bairro Amazonas em Contagem.
Foi uma apresentação bem “light”, podemos dizer que entre amigos.
A luminosidade não ajudou muito. A câmera também não mas é possível ter uma idéia do envento. 🙂

Mais vídeos no canal Soso Instrumental
do Youtube.

Abraços

Cacarola Orquestra de Baixos

null Sabe “aquela” sexta-feira que você está bem cheio do trabalho e pega um trânsito lento… ai meu Deus.
Parado naquela caldeira de impaciência. Por um estante você liga o rádio do carro ou seu player portátil na busca de algo que o arranque daquele momento de tormento psicológico.
<<Play>> Em instantes entra aquela melodia gostosa do SAMBA DO AVIÃO (Tom Jobim). Seus sentidos sofrem uma parada repentina com aquelas frequências graves e mudam rapidamente o foco de seus pensamentos. Que som é este?!
Na sequencia vem LA MOCHILA (Flávio Lira) e completa sua passagem para outro mundo.
Ai não tem mais volta. O trânsito fica de lado e agora seu objetivo e apreciar cada execução para não perder o embalo…. 🙂

Bom, isto é meu conselho para você que quer ouvir um trabalho instrumental brasileiro da melhor qualidade. Cacarola Orquestra de Baixos.

Como grande apreciador deste tipo de som, não poderia deixar de comentar aqui sobre este belo trabalho.
Devo este meu contato imediato com a Cacarola, a nossa grande amiga do Forum Contrabaixo BR a Renata Cáceres, participante do projeto.

Abaixo um pouco mais sobre a Cacarola.
null

Cacarola Orquestra de Baixos
(texto do site oficial – http://www.cacarolaorquestradebaixos.com.br )
Fundado em meados de 2006, o Caçarola Orquestra de Baixos é um grupo musical de formação diferenciada, que busca apresentar um trabalho de vanguarda dentro do cenário da música instrumental. Trata-se de um sexteto de baixos, no qual são exploradas as diversas possibilidades musicais e expressivas do instrumento, tanto de sua versão elétrica quanto do tradicional contrabaixo acústico.

Inspirado no grupo francês L’Orchestre de Contrabasses, o Caçarola trabalha com composições e arranjos escritos especificamente para esta formação, buscando sonoridades autênticas e resultados completos através de diferentes abordagens técnicas aplicadas ao instrumento.

Assim, o baixo é utilizado como solista, unido em naipes, às vezes com função harmônica ou percussiva e, é claro, em sua tradicional função de base.

Sob a direção musical do baixista, músico e compositor Flávio Lira, a mini-orquestra toca principalmente arranjos de música brasileira, mas também outros estilos, como o jazz, a música erudita e a música contemporânea. A formação conta ainda com os músicos Ariadne Melchioretto, Bruna Buschle, Renata Cáceres, Fernando Schubert e Luis Gustavo Slomp. Todos são egressos do meio acadêmico-musical, o que confere ao Caçarola a propriedade necessária à realização desta audaciosa proposta musical.

O Caçarola teve sua estréia realizada no Teatro Paiol (Curitiba/ PR) em setembro de 2007, pela série “Terça Brasileira” do Programa Música em Pauta, com apoio da Fundação Cultural de Curitiba. Obteve grande repercussão, com sucesso de público e crítica.

O repertório inclui em sua maioria arranjos instrumentais de músicas de compositores brasileiros, assim como músicas de autoria própria dos integrantes do grupo. Além das instrumentações criadas em grupo, os arranjos são escritos principalmente por Flávio Lira, diretor musical da orquestra, e o disco conta ainda com dois arranjos exclusivos para o grupo escritos pelo contrabaixista francês Tibô Delor, ex-integrante do grupo L’Orchestre de Contrabasses.

O disco conta ainda com a participação dos baixistas Itamar Collaço, Thiago do Espírito Santo, Glauco Solter, e do já citado Tibô Delor, nomes de peso nos meios musicais tanto popular quanto erudito, no Brasil e no exterior, comprovando a credibilidade e a competência do CD de lançamento do grupo Caçarola Orquestra de Baixos.

É isso pessoal, maiores informaçoes nos links:

cacarolaorquestradebaixos.com.br
Fórum Contrabaixo BR

Mais Cacarola.

Apreciem sem moderação. 🙂

Cort GB75 OPN

05/04/2011 8 comentários

null Olá pessoal. Hoje vou compartilhar um pouco sobre este belo instrumento, o contrabaixo elétrico Cort GB75 OPN.
Tenho a cerca de três meses e posso dizer que realmente é um bom baixo. Bom acabamento, bonito, peso bem distribuído e os timbres são muito agradáveis. Da linha GB, gosto mais dos modelos OPN (OPEN PORE NATURAL).
As ferragens são Hipshot, corpo em Swamp ash, braço em Maple.

Uma caraterística importante do modelo, é a possibilidade de diferentes configurações de seus captadores.
Com os captadores MMJA(n)-Alnico e um MBA5(b)-Alnico conjugadas com as duas chaves seletoras (uma para o Humbucker e a outra para corte de médios) e o potenciômetro de volume push/pull, oferecem um leque de timbres.

null

No dia que ele chegou, gravei rapidamente alguns áudios das combinações dos captadores.
Por favor relevem a execução. Já era tarde e estava bem cansado sem muita inspiração. 🙂

Detalhes:
Preamp Ativo ligado. Equalização em Flat. Booster/corte de médios desligado.
Gravado direto na placa sem efeitos.

Sequencia de configuração:
1)Humbucker Single da Ponte
2)Humbucker Single da Ponte + J do Braço (50% + 50%)
3)Humbucker Completo – MM
4)Humbucker Completo – MM + J do Braço (50% + 50%)
5)Humbucker Single do Braço
6)Humbucker Single do Braço + J do Braço (50% + 50%)
7)J do Braço

Áudios:
1 – no sense
2 – com sono
3 – pra acabá

Não posso esquecer que a Cort fez uma pequena modificação no circuito do GB75. Creio que para padronizar os modelos baseando no antigo GB95, hoje, GB5-Custom. Informações no site do fabricante.

É isso ai.

P.S.: Maiores informações, consulte o belo review do Ivan no Contrabaixo BR.

O Baixista mais ouvido do Brasil

13/03/2011 1 comentário

Hoje tive o prazer de ler uma linda matéria sobre Paulo César Barros, “o baixista mais ouvido do Brasil“.
Um texto super interessante publicado pelo nosso querido Cláudio Machado.

Com um currículo invejável, PC coleciona não somente atuações com grandes nomes da MPB mas também um legado da história da música brasileira.
Com o seu inseparável Fender Precision Bass 1964 ele passou por todos os estilos musicais e seus mais de 50 anos de estrada musical.
Confira a entrevista completa em http://baixistasdobrasil.blogspot.com/2011/03/ninguem-que-ja-estava-com-os-ouvidos.html.

Recentemente a filha de PC criou um perfil no YouTube .
Pode conferir seu comentário no Fórum Contrabaixo BR.

Uma amostra do primeiro vídeo.

Um grande abraço e até a próxima.

Quando sobra tempo…

Durante a apresentação do Soso Instrumental, sobra um tempo de intervalo.
Já devem imaginar. Músico a toa só faz bobagens ….

Mais vídeos no canal Soso Instrumental
do Youtube.

Abraços

Soso Instrumental

Soso Instrumental (A cura é salvação. Salvação é Cura)

null

O Soso originou-se de um grupo de estudos entre amigos em 2009.
Com o objetivo de evoluir o conhecimento musical, quatro amigos se reúnem para tocar.
Mateus (Sax), Fernando (Bateria), Cristiano (Baixo) e Lucas (Guitarra) (da esquerda para direita) destacam a diversidade de suas influências.
O projeto ainda está na fase inicial mas busca uma proposta diferente para seu som.
Segue algumas apresentações modestas do grupo.

  • PucMinas (unidade Barreiro)
  • Existe um projeto de cunho cultural que promove apresentações durante o intervalo entre as aulas.
    O tempo de apresentação foi pequeno mas suficiente para mostrar nosso trabalho pela primeira vez!

  • Encontro de música (Bairro Amazonas, Contagem)
  • Esta apresentação foi realizada no salão de eventos da Paróquia Cristo Rei em Contagem (http://ministriocristorei.weebly.com/index.html) durante o projeto do Primeiro Encontro de Música da região do Bairro Amazonas.

    Mais vídeos no canal Soso Instrumental do YouTube.